Quais os tipos de cimento e em qual ocasiA?o usA?-los?

combo 3ds

O cimento A� o material mais bA?sico e mais usado no universo da construA�A?o civil por todo o mundo. Esse que usamos, o moderno, A� conhecido como Cimento Portland, nome dado por seu inventor, Joseph Aspdin, em 1824, em homenagem A� Ilha Portland, na GrA? Bretanha.

Ele A� utilizado para quase todas as etapas do processo de construA�A?o civil e assim como a brita e vA?rios outros materiais, tambA�m tem uma classificaA�A?o especA�fica para cada necessidade. As classificaA�A�es sA?o 11, e devem ser produzidas de acordo com as especificaA�A�es da ABNT, que dA? o direcionamento necessA?rio de casa um deles.

Cement_Import_Export_

Os onze tipos sA?o:

  1. CP I a�� Cimento Portland comum
  2. CP I-S a�� Cimento Portland comum com adiA�A?o
  3. CP II-Ea�� Cimento Portland composto com escA?ria
  4. CP II-Z a�� Cimento Portland composto com pozolana
  5. CP II-F a�� Cimento Portland composto com fA�ler
  6. CP III a�� Cimento Portland de alto-forno
  7. CP IV a�� Cimento Portland PozolA?nico
  8. CP V-ARI a�� Cimento Portland de alta resistA?ncia inicial
  9. RS a�� Cimento PortlandA�ResistenteA�a Sulfatos
  10. BC a�� Cimento Portland de Baixo Calor de HidrataA�A?o
  11. CPB a�� Cimento Portland Branco

A�

Vamos agora falar um pouco mais sobre cada tipo de cimento, mas antes vale ressaltar que sua composiA�A?o bA?sica A� a mistura de calcA?rio e argila (90% do primeiro e 10 do segundo), que A� aquecido a certa temperatura e gera o clA�nquer, que serA? misturado aos aditivos que o classifica.

1. CP I) Este A� o mais simples dos cimentos, que tem apenas a adiA�A?o de gesso, assim como todos os outros, com o objetivo de aumentar o tempo em que ele fica disponA�vel para manuseio, sem que comece a endurecer. Ele A� o indicado em casos de construA�A�es comuns, sem necessidades especA�ficas como em casos de exposiA�A?o frequente A� A?gua, muita umidade, esgoto, A?gua do mar, etc. Sua resistA?ncia A� de 25 MPa. Maiores informaA�A�es podem ser encontradas na NBRA�5732.

CPI

2. CP I-S) Assim como o CP I, ele A� bem bA?sico, mas agora, somado ao clA�nquer, hA? umA�material pozolA?nico, mesmo que em baixA�ssima quantidade, que apresenta nA�veis ainda menores de permeabilidade. A norma tA�cnica que o define A� a mesma de seu original.

3. CP II-E) O CP II jA? tem maiores nA�veis de aditivos alA�m de apenas o gesso, e tem algumas classificaA�A�es. A primeira A� o ‘E’. Ele tem adiA�A?o deA�escA?ria granulada de alto-forno. O que muda? O material dA? uma propriedade de baixo calor de hidrataA�A?o ao cimento, , o que lhe confere a propriedade de baixo calor de hidrataA�A?o, que A� uma propriedade utilizada quando hA? a necessidade de um material que nA?o libere tanto calor e que nA?o venha a gerar fissuras na estrutura por causa do calor, que sA?o, quando usado o cimento errado, normais. A quantidade percentual desse aditivo A� de 6 A� 34%, que varia de acordo com a necessidade e com a marca do cimento. Suas especificaA�A�es podem ser encontradas naA�NBR 11578 e sua resistA?ncia A� de 25 MPa.

4.A�CP II-Z) Este tem, assim como o CP I-S, adiA�A?o de material pozolA?nico para aumentar a impermeabilidade. A massa do composto varia de 6 a 14% e A� o mais recomendado em cados de grande exposiA�A?o A� A?gua, geralmente em obras subterrA?neas. Pode ter tambA�m adiA�A?o de atA� 10% deA�fA�ler. ResistA?ncia A� de 32 MPa e tambA�m aA�NBR 11578 que possui maiores informaA�A�es sobre ele.

5.A�CP II-F ) O que muda neste caso A� que alA�m do clA�nquer e gesso, sA?o adicionados apenas de 6 a 10% de um material chamado fA�ler, que foi citado acima. Ele A� mais recomendado para vA?rios casos, desde que nA?o sejam excessivamente agressivos, ou seja, que precisem de meios mais especA�ficos de precauA�A?o. Pode ser usado desde o revestimento A� aplicaA�A?o em estruturas de concreto armado, que necessitam de maior resistA?ncia, essa que A� de 40 MPa. A norma que o define A� a mesma do CPA�II-Z e do CP II-E.

Portland_Cement_Bags

6. CP III) De acordo com aA�NBR 5735, o cimento CP III, que A� classificado como o de alto forno, pode ser utilizado desde aplicaA�A�es mais simples, como na estrutura de concreto simples, armado ou protendido, A� obras de ‘maior agressividade’, como barragens, pistas de aeroportos, fundaA�A?o, pavimentaA�A?o de estradas em geral, local onde passarA? o esgoto, como as manilhas e tubos industriais com potencial quA�mico. Ela apresenta maior durabilidade que os outros, grande nA�vel de impermeabilidade eA�baixo calor de hidrataA�A?o, que evita a dispersA?o rA?pida de calor. Pode ser encontrado comA�25, 32 e 40 MPa.

7. CP IV)A�Ele A� classificado como PozolA?nico, pois tem em sua composiA�A?o entre 15 e 50% de material desse tipo. Os valores altA�ssimos desse composto dA?o a ele uma taxa de impermeabilidade imensa, alA�m de uma maior durabilidade e resistA?ncia mecA?nica A� compressA?o, o que torna-o o mais recomendado para casos de forte interaA�A?o com a A?gua e que esteja exercendo sobre ele, pressA?o, como casos de A?gua corrente, em rios e obras para adaptaA�A?o de cachoeiras, etc, e em ambientes agressivos, como barragens menores. A�Ele tambA�m A� recomendado para grande exposiA�A?o a sulfatos, como ambientes com potencial A?cido, e A� recomendado para a concretagem sob temperaturas elevadas e em grandes volumes. A resistA?ncia pode ser 25 ou 32 MPa. Para mais informaA�A�es consulte aA�NBR 5736.

.autocad-projeto-prefeitura

Textura-do-Concreto

8 – CP V-ARI)A�ARI significa Alta ResistA?ncia Inicial, ou seja, em pouco tempo ele jA? alcanA�a grande resistA?ncia, e A� recomendado em casos de necessidade de desforma rA?pida, por exemplo. Assim como o CP I, ele A� bem bA?sico, sem adiA�A�es, mas ele se diferencia no tipo de clA�nquer que A� usado para ser produzido, que tem dosagens diferentes de calcA?rio e argila. Em apenas um dia ele jA? pode chegar a 26 MPa de resistA?ncia.

9 –A�RS) O RS significa Resistente a Sulfatos. Os ambientes com maiores nA�veis de sulfato sA?o como o esgoto, o mar e ambientes de indA?stria, e precisam de um tipo especA�fico de cimento para que haja maior duraA�A?o. O aditivo? Depende de quais outras especificaA�A�es deseja seguir. Qualquer um dos jA? classificados podem ser resistentes a sulfato, desde que sejam dosados da maneira correta. Confira na imagem abaixo o que deve ser feito em certos casos.

resistente a sulfato

A�

10.A�BC)A�O BC A� classificado como de baixo calor de hidrataA�A?o, e ele A� agregado a outra sigla, ou seja, essa caracterA�stica pode ser acrescida, assim como o RS, A� qualquer outra das classificaA�A�es mais especA�ficas (Ex.:A�CP V-ARI (BC)). Ele evita o aparecimento de fissuras tA�rmicas na estrutura, e pode agregar A� outros para deixA?-lo mais duradouro dentro de suas necessidades.

11.A�CPB)A�Este A� o Cimento Portland Branco. Como jA? diz o nome, ele tem a cor branca, e sua A?nica especificaA�A?o A�, de fato, a aparA?ncia. Ele normalmente A� utilizado entre os azulejos, o conhecido rejunte, e para a parte estrutural em momentos de necessidade devido A�s recomendaA�A�es do projeto arquitetA?nico.

Cimento Branco

Cimento Branco

 

Fontes: ECivil, Equipe de Obra, PedreirA?o;

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
revit modelagem básica

Rafael de Oliveira Bolonha

Estudante de Engenharia Civil da Univix – Faculdade Brasileira, em Vitória, Espírito Santo.